Contato Projeto Lar Como atuamos Necessidades Doação Parceiros Certificados Programas Eventos

Projeto de Vida

Depois de esgotadas todas as alternativas anteriores, não havendo outra possibilidade de reinserção em algum ambiente familiar ou a adoção, a criança/adolescente permanece no abrigo até sua maioridade legal, 18 anos. Nesses casos o desafio maior é a continuidade da construção do seu Projeto de Vida, em conjunto com o próprio adolescente, participando-o de sua própria história.

O foco do trabalho passa a ser a promoção de sua independência, de seu convívio e inserção social, tendo ele prioridades em oportunidades de empregos, cursos e assim por diante, para que esses jovens egressos do abrigamento possam estar mais preparados para enfrentar as adversidades extra-muro da Instituição.

Aos 14 anos, o adolescente é encaminhado ao projeto Jovem-Aprendiz que tem como objetivo inseri-lo no mercado de trabalho e assim dar início à sua vida profissional. Durante o período de 4 anos, o adolescente recebe uma remuneração que automaticamente é depositada em uma caderneta de poupança, aberta em seu nome e administrada pelo PROJETO L.A.R. Esta poupança dá início à independência do adolescente que ao completar 18 anos é desacolhido judicialmente.

Nesse sentido o nosso olhar e nossa preocupação é com o adolescente fora do abrigo, havendo dessa forma a necessidade da participação ativa da comunidade para uma ação de maior sucesso.

O próprio ECA (Estatuto da Criança e Adolescente) - Lei 8.069/1990 preconiza:

Art. 92

As entidades que desenvolvam programas de acolhimento institucional (abrigo) deverão adotar os seguintes princípios:
I - preservação dos vínculos familiares;
II - integração em família substituta, quando esgotados os recursos de manutenção na família de origem;
III - atendimento personalizado e em pequenos grupos;
IV - desenvolvimento de atividades em regime de co-educação;
V - não desmembramento de grupos de irmãos;
VI - evitar, sempre que possível, a transferência para outras entidades de crianças e adolescentes acolhidos;
VII - participação na vida da comunidade local;
VIII - preparação gradativa para o desligamento;
IX - participação de pessoas da comunidade no processo educativo.